O número de pacientes se recupera, mas permanecem baixos controles e aderência

 

 

Novembro 2020

Compartilhamos os resultados da nossa última pesquisa sobre o Impacto do COVID-19 no Trabalho Médico, concluída no final de outubro, onde você pode ver os dados do Brasil e em toda América Latina.

As principais conclusões são

1. O risco de contágio de médicos ou pacientes na prática profissional continua a ser o principal desafio, junto a queda do número de pacientes tratados, que, no entanto, se recuperou no país em relação às medições anteriores.

2. A queda no atendimento ocorre com todos os tipos de pacientes, e é particularmente acentuada nos controles/exames, por exemplo, o número de controles do câncer de mama no Brasil é a metade comparado aos níveis anteriores à pandemia

3. Os profissionais brasileiros estimam que apenas 61% de seus pacientes estão tendo adesão adequada aos tratamentos, contra 70% estimados na pré-pandemia, sendo o principal obstáculo o não comparecimento à consulta por medo de contágio.

4. A maioria dos médicos que trabalham em consultório particular define o contágio neste ambiente como improvável.

5. 13% dos profissionais entrevistados no Brasil foram diagnosticados com COVID-19, chegando ao dubro o risco da aqueles na linha de frente (compartilharam mais de 10 horas com pacientes infectados na última semana).

6. O atendimento não presencial representa hoje 13% das consultas sendo o nivel mais baixo da America Latina, embora se espera que esse tipo de atendimento virtual continue nesse nivel no futuro.

Para ver o relatório completo e os dados do país e especialidade, você pode clicar AQUI

 

Agradecemos a ampla participação dessas consultas.

De nossa parte, manteremos o compromisso de continuar a revelar e compartilhar a voz relevante dos médicos neste momento.